Afinal, a Retinopatia Diabética tem cura?

Abril Marrom | Dia 21 faremos exame fundo de olho gratuito
13 de abril de 2018
Exame de fundo de olho consegue detectar diversos tipos de doenças
18 de abril de 2018

Em síntese, a Diabetes Mellitus é uma doença que consiste no aumento da taxa de glicose (açúcar) no sangue, podendo ser adquirida ao longo da vida por conta de má alimentação, do excesso de peso ou pela hereditariedade.

A doença não oferece grandes riscos a pacientes que mantém a doença sob controle. Porém, é uma condição que inspira cuidados por conta das complicações que podem ocorrer. A alta concentração de glicose no sangue é capaz de afetar seriamente os vasos sanguíneos do corpo, inclusive os olhos. O paciente diabético deve ter muito cuidado com a sua visão.

Uma das doenças relacionadas à visão ocasionadas pela alta taxa de açúcar no sangue é a Retinopatia Diabética que atinge os pequenos vasos da retina, região do olho responsável por processar as imagens e encaminhá-las ao cérebro.

O portador da doença tem um material depositado nos vasos sanguíneos da retina, provocando alterações, dificultando a circulação e fazendo com que esses vasos fiquem deformados. Esse quadro é silencioso e causa a formação de microaneurismas, permitindo a passagem de fluidos e sangue, que podem causar alterações na retina.

A Retinopatia Diabética, normalmente, afeta ambos os olhos e se não diagnosticada e tratada precocemente pode levar a cegueira irreversível.  Contudo, o aparecimento ou progressão da doença podem ser prevenidos pelo controle rigoroso dos níveis de glicose no sangue. Quando ela já está instalada, pode-se decidir pela fotocoagulação com raio laser, prevenindo hemorragias.

A doença não está associada à idade, qualquer portador de diabetes não tratada pode apresentar a doença. No entanto, os que possuem a doença a mais de 20 anos têm mais chances de ter a visão afetada. Por essa razão, se você é diabético, lembre-se de visitar seu oftalmologista regularmente. Exames oftalmológicos regulares são primordiais para detectar complicações oculares decorrentes do diabetes e permitir o início do tratamento o mais cedo possível, quando as chances de controlar a doença são maiores.